Sábado
15 de Dezembro de 2018 - 

Controle de Processos

Previsão do tempo

Hoje - Porto Alegre, RS

32ºC
23ºC
Pancadas de Chuva

Domingo - Porto Alegre, RS

31ºC
22ºC
Pancadas de Chuva

Segunda-feira - Porto Alegr...

32ºC
22ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Porto Alegre...

29ºC
22ºC
Pancadas de Chuva

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Últimas notícias

Pronunciamento na tribuna nesta quinta-feira

Confira o resumo do pronunciamento realizado durante o período das Comunicações da sessão plenária do Parlamento gaúcho desta quinta-feira (11). A íntegra das manifestações pode ser ouvida no endereço www.al.rs.gov.br/legislativo , em áudios das sessões. O deputado Pedro Ruas (PSOL) denunciou ato ocorrido ontem (10) no Condomínio Princesa Izabel, no bairro Santana em Porto Alegre, onde há cerca de alguns meses um jovem de 21 anos, Lucas, foi morto por alguns integrantes da Brigada Militar em situação que ainda está sendo investigada. Disse que a Polícia Civil dá encaminhamento ao inquérito e na segunda-feira (8) promoveu a reconstituição parcial do crime com as testemunhas, e na terça-feira (9) estava prevista a reconstituição parcial com os integrantes da Brigada Militar envolvidos na ocorrência que resultou na morte do jovem. Mas a reconstituição com os envolvidos da BM não ocorreu e não foi esclarecido o motivo e, fato muito grave, conforme anunciou o deputado, esses mesmos integrantes da corporação militar se deslocaram até o condomínio e promoveram operação policial com as pessoas que testemunharam o homicídio, para pressioná-las. Algumas dessas pessoas foram recolhidas e não há localização do seu paradeiro. A denúncia foi encaminhada à Comissão de Cidadania e Direitos Humanos, da qual o parlamentar é titular, com fotos e filmes da ação de quarta-feira no Condomínio Princesa Izabel. O deputado reiterou que tanto a CCDH quanto a Assembleia pedem imediatas explicações à Brigada Militar, para que esclareça os fatos. Reiterou que a Assembleia, desde a morte do jovem, fez reiterados pedidos de explicações à corporação, uma vez que envolve pessoas pobres e negras, as mais vulneráveis socialmente. Também ponderou que o fato ocorreu no centro da cidade de Porto Alegre, com ampla visibilidade, “é inacreditável que tenha ocorrido”, protestou.
11/10/2018 (00:00)
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.